Lia Rodrigues nasceu em 1956 em São Paulo onde se formou em ballet clássico e estudou História na Universidade de São Paulo. Após ter participado do movimento de dança contemporânea em São Paulo, nos anos 70, integrou a Compagnie Maguy Marin/França entre 1980 e 1982. De volta ao Brasil fundou a Lia Rodrigues Companhia de Danças em 1990, no Rio de Janeiro e desde então a Companhia se mantém em atividade durante todo o ano, com aulas, ensaios do repertório, e trabalho de pesquisa e criação, apresentando-se no Brasil e internacionalmente.

Em 1992 criou e dirigiu por 14 anos o mais importante festival de dança do Rio de Janeiro , o Panorama da Dança.

Foi responsável pela coordenação artística da Mostra BNDES de Arte em Ação Social, no Rio de Janeiro (2000, 2001, 2002) que mostrou projetos de dança , teatro e música de todo o Brasil que usam a arte como transformação social.

Além de seu trabalho como coreógrafa participou a curadoria de projetos e exposições : em 1998 “Quartas de Dança” (apresentando durante todas as quarta feiras do mês companhias e artistas da dança carioca) "Memória em Movimento" ( exposição em homenagem a três grandes nomes da danca brasileira Klaus, Angel e Rainer Vianna); CAIXA DE FOLIA ( exposição comemorativa dos 60 anos da Missão Folclórica realizada da pelo escritor Mário de Andrade para coletar imagens, músicas e danças da região norte e nordeste do Brasil exposição, aulas, espetáculos, palestras, filmes; em 1999 CORAÇÃO DOS OUTROS-MARIO DE ANDRADE com exposição (mais de 40.000 visitantes), eventos,circulação de espetáculos por 69 cidades do estado de São Paulo.

Em 1997, a convite do diretor Emilio Kalil , criou a peça “Resta Um’ para o Corpo de Baile do Theatro Municipal do Rio de Janeiro.

Em 1998 faz a criação da performance coreográfica na retrospectiva de Lygia Clark no Paço Imperial, Rio de Janeiro.

Em outubro de 2000, participa da criação do Condomínio Cultural com Ligia Veiga, fazendo a recuperação de um casarão histórico no Centro do Rio de Janeiro.

Criou com Silvia Soter o projeto “Cahier de la danse” junto ao Consulado da França do Rio de Janeiro, entre 2002 e 2006.

Colaborou para a criação de performances para o artista Tunga : em abril 2001, na exposição para a abertura do CCBB-SP, em 2003 performance para a obra TRou Rouge no Museu de Inhotim,e em 2005 performance para “Laminadas Almas” no Espaço Tom Jobim no Rio de Janeiro.

Desde 2004 ,convidada por Silvia Soter, a Companhia desenvolve ações artísticas e pedagógicas na favela da Maré, no Rio de Janeiro, em parceria com a Redes de Desenvolvimento da Maré. Dessa parceria surgiu o Centro de Artes da Maré aberto ao público em 2009. O Centro de Artes da Maré é um espaço para criação, formação e difusão das artes e é também a sede da Lia Rodrigues Companhia de Danças. Nesse espaço a Companhia criou e estreou seus trabalhos “Pororoca”, “ Piracema” e “Pindorama” e realizou em 2009 , com o apoio da Fundação Prince Claus o projeto “ Nova Holanda – Novos Horizontes : dança para todos “, com aulas de dança gratuitas para moradores da Maré.

O mais novo fruto da parceria da Companhia com a REDES é a a Escola Livre de Danças da Maré , inaugurada em outubro de 2011 que atende gratuitamente cerca de 200 pessoas ao ano, de diversas faixas etárias com aulas de técnicas diversas,de caráter continuado e gratuitas. Em outra vertente do projeto - orientados pela coreógrafa juntamente com a equipe pedagógica da Escola - 20 jovens pré-selecionados frequentam atividades voltadas à profissionalização e à pesquisa de material criativo com oficinas práticas e aulas de dança com 4 horas diárias, cinco vezes na semana. Para esses jovens criou em 2013, com o patrocínio da Secretaria Municipal do Rio de Janeiro, a peça "Exercício M , de Movimento e de Maré". Em 2017 criou para esse mesmo Núcleo 2 a peça :exercício P, de Pororoca e Piracema”.

Durante os 40 anos de atividade profissional a coreógrafa Lia Rodrigues articula formação e criação artística ministrando aulas , workshops, oficinas e palestras . Em 1999 organizou aulas para professores de CIEPS em várias cidades do Brasil ( São Luiz do Maranhão, Marabá, Catas Altas-MG, Paraoapebas) no projeto Escola que Vale da Fundação Vale do Rio Doce. Em 2005 organizou aulas de dança em escolas de bairros populares do Rio de Janeiro para o projeto TIM. Em 2005 foi professora convidada do Fórum Dança e do curso de coreografia do “Programa Gulbenkian de Criatividade e Criação Artística” ambos em Lisboa/Portugal.Em 2006 participou do projeto Education Acts! do Tanzquartier em Viena, Austria. Em 2007 foi um dos orientadores de artistas no projeto residências da Fundação Gulbenkian/Lisboa.Em 2009 foi professora convidada do programa ESSAIS de pós graduação da École Supérieure du Centre National de Danse Contemporaine de Angers /França. Em 2011 foi professora convidada da escola PARTS de Anne Teresa De Keersmaeker, Bélgica. Em 2012 professora convidada para os alunos do curso regular da Escola École Supérieure du Centre National de Danse Contemporaine de Angers/França. Em 2014 foi professora convidada e dirigiu a finalização do curso de formação avançada para alunos do PEPCC do Fórum Dança em Lisboa. Em janeiro de 2017 foi professora convidada do Fórum Dança/Lisboa/Portugal onde ministrou aulas para os alunos do PEPCC e para o curos Dança e Comunidade. Em fevereiro de 2017 fez o acomopanhamento dos estudantes do programa de Mestrado ( Master /Exerce) do ICI — CCN de Montpellier / França.